Revista Veja faz piada sobre preço do Bitcoin e erra

O QUE VEM DEPOIS DO BITCOIN?

O bitcoin parece estar em toda parte. Programas de TV aberta, revistas de economia, amigos no Facebook e até outdoors em avenidas “falam” dele (nesse último caso, numa campanha de entusiastas, em São Francisco, nos Estados Unidos). A cotação da moeda virtual decolou de menos de US$ 1, em 2009, para quase US$ 1 mil, nas últimas semanas. O BTC – esse é o código comercial – já serve para comprar quase tudo, de sanduíches orgânicos a viagens ao espaço. Seja ele o dinheiro do futuro ou uma nova bolha especulativa, uma coisa parece certa: a porta que foi aberta, pela qual o mundo enxergou uma forma mais flexível de fazer transações online, não se fechará mais. Um batalhão de novas moedas digitais e tecnologias promissoras já aproveita o embalo para avançar rumo a essa prometida nova ordem monetária.
O bitcoin mostrou que é possível existir uma moeda descentralizada, não regulada por governos ou bancos centrais. O mérito de seu criador, uma figura desconhecida que usava o pseudônimo de Satoshi Nakamoto, foi formular um elegante preceito matemático que garante a segurança do sistema. Funciona assim: cada transação é validada por um grande número de computadores de usuários (os mineradores) pelo mundo, de forma que ninguém tenha capacidade de processamento maior que essa rede (para evitar operações fraudulentas). Como recompensa, esses usuários recebem novos bitcoins, que serão criados até o limite de 21 milhões de unidades, por volta do ano de 2140. Além disso, todas as transações ficam registradas numa espécie de lista pública.
Entusiastas afirmam que a grande contribuição do BTC foi cultural. Ele uniu uma vasta rede de pessoas interconectadas por uma causa que agora parece ser o futuro inevitável: usar a internet para enviar dinheiro, com menos taxas e burocracia. Se olharmos em perspectiva, ainda que exista essa profusão de seguidores, o bitcoin é coisa de nicho. Para se tornar um novo dólar ou euro, há alguns empecilhos. Primeiro, é difícil de usar. Mandar e receber moedas significa ter de lidar com conceitos como blockchain e public ledger, além de chaves necessárias para cada transação, coisas como 17EC4TXZRzr4UbmrkMc7gUEuCtn73xhTeN.
Também existem questões como a alta volatilidade, a suspeita de que milhares de chineses andam especulando com a moeda e, principalmente, os problemas de uso criminoso do dinheiro virtual. O caso mais notório envolveu o Silk Road, um supermercado online de drogas e armas fechado em 2013, no qual o BTC – por permitir anonimato – era a moeda corrente.
Por todos esses problemas, o bitcoin pode vir a confirmar uma conhecida tese sobre produtos de sucesso: o pioneiro raramente se torna o líder do mercado. Google, Facebook, Apple e outras empresas vencedoras não inventaram seus produtos – já existiam buscadores, redes sociais e computadores antes. Assim como a Coca não inventou o refrigerante e o McDonald’s não foi a primeira lanchonete a vender hambúrgueres. (Cabe a observação: o bitcoin não foi a primeira moeda digital, mas criou os conceitos que agora são usados por todas as outras, por isso é vista como pioneira.)
Como era previsível, várias candidatas já estão no jogo para tentar ser a Apple ou o Facebook dessa teoria. Receberam até um nome na comunidade dos internautas: criptomoedas 2.0 (veja o quadro abaixo). Ainda que nenhuma possa ser declarada vencedora, cada uma expande a seu modo os caminhos para o futuro do dinheiro. “As moedas digitais marcam uma mudança significativa no sistema financeiro, porque são capazes de prover uma cadeia de troca de valores descentralizada”, diz David Furlonger, vice-presidente da consultoria Gartner Group e uma das maiores autoridades em futuro das finanças. “Mas, no momento, nenhuma delas é mais relevante que as outras. O hype em torno do bitcoin é apenas isso: hype.”
http://s2.glbimg.com/fIw5bBIj3hFN-RIFMxrKCa_WvC0=/top/e.glbimg.com/og/ed/f/original/2014/03/04/bitcoin-02.jpg
Na última contagem do site coinmarketcap.com existiam cem moedas digitais, com nomes como quark, mastercoin ou devcoin. Juntas, somam por volta de US$ 10 bilhões em circulação. Quase todas são versões modificadas do bitcoin. A maioria também usa a mineração digital. Entre as que se destacam está o litecoin (ou LTC). Sua contribuição: pode ser minerada por computadores comuns, enquanto o bitcoin acabou restrito a donos de supermáquinas – o que pode criar distorções no futuro. Assim, o tempo para uma transação ser confirmada cai de dez minutos (no BTC) para dois e meio (no LTC), em média.
“Essa segunda geração tem moedas lançadas por companhias bem financiadas e com fundadores experientes, inclusive alguns que participaram da história do bitcoin. O dinheiro graúdo chegou à nossa área, permitindo que mais camadas de segurança e inovação sejam adicionadas”, diz Chris Larsen, CEO do Ripple Labs, que cunhou a moeda digital ripple.
O ripple também tem se destacado. Já é a segunda maior em volume circulante (juntas, ela e o BTC formam quase 90% dos US$ 10 bilhões virtuais). Recebeu aportes de investidores badalados do Vale do Silício, como o Google Ventures, o Founder’s Fund e o Andreessen Horowitz. O ripple, na verdade, são duas coisas. É uma moeda baseada em matemática (como o bitcoin), cujo símbolo é XRP. Mas também é um novo protocolo financeiro para a internet. Para entender, vale uma comparação entre dinheiro e e-mails. São os protocolos de e-mail que permitem que um usuário do Hotmail, por exemplo, mande mensagens para um do Gmail, de graça e instantaneamente. O ripple quer fazer isso entre moedas e bancos.
Quem cria uma “carteira ripple” pode mandar, por exemplo, US$ 1 mil para uma sobrinha na Austrália com razoável facilidade – e com taxas na faixa de 0,5%. Mas também pode mandar ouro, milhas aéreas, café e qualquer coisa que tenha um valor acordado. Inclusive bitcoins. “Dá para fazer pelo próprio banco, até sem saber que por trás da operação estará o protocolo”, diz Larsen. “Antes do bitcoin, ninguém achava que era possível fazer transações pela internet sem um operador central. Agora o mundo sabe como fazer isso. Mas estamos apenas na pré-história dessa evolução”, afirma. No momento, o protocolo já opera mais de 50 moedas e existem 65 mil contas criadas – número que, segundo Larsen, cresce 7% por semana.
Assim como o ripple, outra moeda, chamada next (símbolo: NXT), traz uma inovação importante: ela permite que você adicione novas funcionalidades aos protocolos. Por exemplo, criar contratos. Eles podem servir para executar pagamentos de um serviço, ou fazer operações parecidas com um “débito automático”, mas para a transferência de valores. Como são plataformas de código aberto, permitem que qualquer contrato seja criado, dependendo só da habilidade do programador.
http://s2.glbimg.com/x3wY_Vb1vq6T58liOfaY-ADxLWY=/e.glbimg.com/og/ed/f/original/2014/03/04/bitcoin-03.jpg
Para mandar dinheiro entre pessoas, protocolos como os do ripple ou do next encontram ordens de compra e venda – como no sistema financeiro – e acham um caminho para mandar o dinheiro. Por exemplo: podem usar ordens de venda de reais e compra de XRPs no Brasil, depois outras de venda de XRPs e compra de dólares na Austrália. “Ele acha o caminho mais ‘barato’ para o usuário, não importa quais moedas serão usadas”, diz Rafael Olaio, fundador da Rippex, a primeira casa de câmbio de ripple do Brasil, prevista para entrar no ar este mês. A ideia de usar moedas digitais para triangular moedas convencionais e permitir o envio de euros ou dólares para outros países, ao que parece, será uma das principais heranças do bitcoin.
Outra moeda virtual que aparece entre as mais usadas é o dogecoin, cujo símbolo é um cachorrinho. Assim como o litecoin, é uma filha direta do bitcoin. Mas avança numa direção crucial: sair da obscuridade. Ela é negociada numa casa de câmbio – chamada Cryptsy – regulada pelo Departamento do Tesouro dos EUA. “No caso do ripple no Brasil, para abrir uma conta vai ser preciso mandar RG, CPF e comprovante de filiação. Quero me preparar para quando a regulamentação chegar”, diz Olaio.
A regulação, a propósito, é um aguardado capítulo do futuro das moedas virtuais. Ainda que não dependam de governos para nascer, os legisladores podem banir ou restringir seu uso num país. “No Brasil, ainda não há discussão regulatória consistente sobre o tema”, diz o advogado Marcelo Godke Veiga, que acompanha a questão. “O Banco Central sequer definiu se essas moedas serão consideradas moedas. Nos EUA, já existe a decisão de um tribunal de que o bitcoin ‘pode ser entendido’ como moeda.”
A aceitação dos bancos será outro momento crítico. “Tenho falado com bancos de diferentes países e eles estão mudando a postura: de ‘avaliando’ para ‘considerando integrar com o sistema’”, afirma Larsen. “Os bancos ainda tentam proteger suas formas tradicionais de mandar e receber dinheiro. Mas terão de se adaptar. No futuro, acredito que eles serão um misto de empresa de tecnologia e de marketing”, diz Furlonger. A Febraban, que representa os bancos no Brasil, não quis falar sobre o tema.
Alheias aos bancos, milhares de pessoas usam os dinheiros formados por zeros e uns. Qual será dominante? Talvez nem seja essa a questão. “A grande contribuição dessas moedas é mostrar o potencial da internet para a troca de valores, ainda que se usem as moedas ‘antigas’. Ninguém deve ser forçado a adotar uma nova moeda, nem acho que isso possa acontecer. A ideia importante é usar a internet para trocar valores”, diz Larsen. “O que a ascensão do bitcoin deixou claro é que as pessoas querem mais flexibilidade para mandar e receber dinheiro”, afirma Furlonger. Mesmo se não for a moeda do futuro, o bitcoin pode ter definido o futuro das moedas.
FONTE EPOCA NEGOCIOS
submitted by brasilbitcoin to BrasilBitcoin [link] [comments]

Bitcoin: descubra 5 coisas que você pode comprar usando a moeda e não sabia

Nos mochilões do futuro, talvez não seja preciso fazer o câmbio para cada país que você visitar. Ao redor do globo, cada vez mais estabelecimentos começam a aceitar a moeda virtual Bitcoin como forma de pagamento pelos serviços. O Bitcoin começou na Deepweb, o submundo na internet, por ser uma moeda descentralizada e independente de outros sistemas monetários, mas hoje já é usada em serviços da 'surface' web, essa em que eu e você estamos agora. Mais recentemente, especialistas apontaram o Bitcoin como uma inovação sem precedentes para a economia mundial.
Já falamos na GALILEU sobre esse pub londrino que aceita pagamento através de Bitcoin. A lista completa de serviços e produtos que são 'amigos' do Bitcoin no mundo todo passa por restaurantes, bares, cafés, hotéis, galerias de arte, assessoria jurídica, lojas de roupas e até universidades. Veja onde você pode gastar suas possíveis economias em Bitcoin, no Brasil e no mundo:
Para comprar discos Long Player, em Berlim Na mesma rua do Room 77, você pode ligar o modo nostalgia e comprar vinis na Long Player.
Para tomar um bom café e comer uma boa fatia de bolo Planet Linux Caffe, na Flórida. Um ponto de encontro para entusiastas de software open source que também serve, por acaso, um dos melhores cafés da região.
Para tomar cerveja Room 77, em Berlim (foto) Em Kreuzberg, em Berlim, o Room 77 é só um dos vários lugares que aceitam Bitcoin na hora de pagar pelo hambúrguer (as fritas que acompanham são caseiras e ótimas) e pela cerveja. Como a maioria dos bares de Kreuzberg, ele é despretensioso e barato.
Para pegar um taxi Eurotaxi, na Galicia, Espanha E eles mandam informar: as tarifas são iguais a de um taxi normal.
Para se hospedar na praia Pousada Kyrios, São Sebastião, SP Apesar de ainda serem poucos os lugares físicos no Brasil que aceitam Bitcoin, um deles é essa pousada no litoral de São Paulo.
Use os links ao lado para comprar Bitcoins
fonte Revista Galileu
submitted by allex2501 to BrasilBitcoin [link] [comments]

BITCOIN CHEGA a 56 MIL REAIS e pode BATER RECORD no BRASIL/ VEJA como GANHAR mesmo COM BTC em BAIXA BITCOIN ESTÁ DERRETENDO AS ALTCOINS: VEJA O QUE FAZER! Revista Veja faz piada sobre preço do Bitcoin e Erra ... LUCRE RÁPIDO COM TRADER DE BITCOIN NA BITCOINTRADE  VEJA ... Tutorial OKEx 2020 - Veja como usar uma conta de testes completa + exchange de Bitcoin

Veja como comprar e vender Bitcoins. Confira a Matéria na Íntegra e mais Notícias na Exame! Bitcoin a 20mil reais: Veja as previsões de João Canhada na revista Exame. 09 Aug. 09 Aug. Nessa semana, o bitcoin teve o seu maior valor em cinco meses. A criptomoeda subiu 20% e ultrapassou a marca dos 5 mil dólares pela primeira vez desde novembro. Essa valorização alertou muitos investidores, de leigos a entusiastas, para a compra da cripto e a esperança de ainda mais valorização ... Sucesso no Brasil e no exterior, o documentário 'The Social Dilemma' traz depoimentos reveladores como o de Tristan Harris, ex-executivo do Google, e mostra de que forma os gigantes de tecnologia ... Acompanhe em VEJA as últimas e principais notícias sobre bitcoin. Entrevistas, análises e opinião e muito mais. revista veja; tag: revista veja. notícias. a relaÇÃo do bitcoin com as eleiÇÕes de 2018 . oct 1, 2018. follow us. facebook; twitter; instagram; recomendado. notícias bitcoin e seu criador: satoshi nakamoto entre candidatos... jan 7, 2020. os 5 objetos digitais baseados em blockchain mais caros... dec 18, 2019 "os outros ethereum": 7 criptomoedas que tambÉm levam este... dec 4, 2019. por ...

[index] [42827] [28008] [27310] [45756] [12641] [4902] [31904] [5408] [19969] [21639]

BITCOIN CHEGA a 56 MIL REAIS e pode BATER RECORD no BRASIL/ VEJA como GANHAR mesmo COM BTC em BAIXA

Tutorial OKEx 2020 - Veja como usar uma conta de testes completa + exchange de Bitcoin! Link: https://cryptotchaps.com/link/okex-exchange/ • Competição de Tr... Vídeo Atualizado 2020 nos comentários! Veja como comprar e vender Bitcoin da maneira mais fácil! Link: https://cryptotchaps.com/link/novadax ... Interessado em saber como funciona o trade automatizado e conectar o seu robô na API do Mercado Bitcoin? Confira neste vídeo as dicas de Wendel Smith do Merc... ACESSE: http://ExpertBitcoin.com.br Saiba como lucrar com Trader de Bitcoin de forma bem rápida na casa de câmbio Bitcointrade. Veja como se cadastrar, compr... Em dezembro de 2017, a revista Veja fez uma piada sobre o preço do Bitcoin. https://www.criptofacil.com/revista-veja-faz-piada-sobre-preco-bitcoin-erra/ ----...

#